Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bolas de Berlim... sem creme

Um blogue que não é de culinária (apesar de ter algumas receitas)

Bolas de Berlim... sem creme

Um blogue que não é de culinária (apesar de ter algumas receitas)

Ideias com talento #1 - Transformar camisas de homem

Era giro iniciar uma rubrica. Só naquela. Há por aí tanta gente com talento a fazer coisas giras e tanta gente com menos talento mas a mesma vontade de fazer coisas giras (eu, eu!!) que é uma pena não partilhar aquilo que vou encontrando na blogosfera ou nas revistas que compro esporadicamente enquanto espero na minha segunda casa, a Segurança Social. Foi o caso da Ma Chemise d'Homme, que vi na marie claire idées (só para dar estilo, porque o meu francês está ao nível do desenrascanço - seria capaz de pedir uma tarte aux mirtilles nos Alpes, mas quando fosse perguntar o preço o meu cérebro empancaria no quatre-vingt-seize ou outra forma parva de dizer os números).

Cá em casa proliferam as camisas de homem e não sou eu que as visto. São tantas que enchem mais de metade do roupeiro, deixando-me apenas com um terço do roupeiro livre para as minhas próprias camisas. Até a empregada já comentou que o homem da casa tem mais roupa do que a mulher da casa, ao que eu aquiesci com um breve suspiro. O problema é que o elemento masculino da família só se consegue livrar de alguma peça de roupa se ela estiver visivelmente surrada, rota, descosida, não der para remendar ou tiver uma nódoa gigante que já não sai nem com lixívia, mesmo que já não a use desde 1998. Eu já lhe disse que, qualquer dia, pego numa dessas camisas e faço uma saia para a Inês

tudo explicadinho em  inglês aqui
mas ele lançou-me um olhar daqueles já-ouvi-falar-de-divórcios-por-menos, pelo que eu ainda não tive coragem.

Mas, sem perder a esperança, vou guardando ideias giras para pôr em prática assim que a oportunidade espreitar (oh, que chatice, esta nódoa não sai por nada...). E o site Ma Chemise d'Homme dá mais que muitas ideias. E giras. É só preciso ter olho para a coisa e conseguir fazer roupa sem seguir nenhum molde. O que, definitivamente, não é o meu caso... 
Ora vejam só.