Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bolas de Berlim... sem creme

Um blogue que não é de culinária (apesar de ter algumas receitas)

Bolas de Berlim... sem creme

Um blogue que não é de culinária (apesar de ter algumas receitas)

Ser mãe suficiente

Sou mãe há quase 17 meses. Sublinho o "quase", porque foi neste quase que a minha filha alcançou mais um estágio de independência: passou do já querer comer sozinha para o já comer sozinha, ponto. E eu, feliz da vida, que já posso finalmente espetar-lhe o prato à frente e ir à minha vida enquanto ela se entretém a levar a colher à boca e a acertar quase sempre. Quando já está satisfeita, arruma a colher no prato, pega nele, levanta-o e diz: "Já está!" muito pronta e arrebitada, mas em jeito ameaçador como quem diz: se não apanhas já o prato, atiro-o para o chão.
Está uma crescida e sai à mãe no mau feitio. Mas uma criança com 17 meses não tem mau feitio. É como dizerem que um recém-nascido com 10 dias já tem manha do colo. Oh senhores, dêem-lhe colo e mimo e deixem-se vocês, sim, de manhas para não mexerem o cu do sofá.
Mas não é por isso que aqui vim hoje.
É por causa desta foto:

Calculo que a maior parte das poucas pessoas que lêem este blogue se hão-de chocar com esta imagem. Outras, as mães que, como eu, deram de mamar até aos 7 meses, hão-de sentir-se ultrajadas não com a foto mas com o título: "Are you mom enough"? Como se só fôssemos mães suficientemente boas se dermos de mamar até o puto entrar na escola.

Eu entro nas duas categorias: sinto-me chocada e ultrajada. A verdade é que esta neocorrente do vamos dar de mamar até não podermos mais me faz impressão. O pai da minha filha não gosta muito que eu diga que acho esquisito que um bebé com dentes ainda mame e tanto mais obsceno e inquietante quanto mais velha for a criança. Diz que é uma decisão individual e que não me cabe a mim criticar, que o obsceno está na minha cabeça e que um bebé não tem qualquer instinto sexual (isto já não foi ele que disse, acho que li em qualquer lado). E ele tem razão, mas a contar pelo número de artigos de mães enervadas por esta capa da TIME, não é um tema lá muito consensual. A verdade é que nós, as mães, temos a mania de nos arrepelarmos sempre que ouvimos uma opinião diferente. Achamos que temos o direito de julgar a forma como outras mães pensam e educam os seus filhos. E achamos, como eu, que nos devemos sentir ofendidas e ocupar o lugar de mártires injustiçadas se alguém ousar insinuar que podemos não estar a cumprir o nosso papel em pleno. Serve-me a carapuça na perfeição. Sou pró em sentir-me mártir injustiçada.

Mas o que me causa realmente urticária é isto de associarem o ser boa mãe com o "attachment parenting". Acaso as outras mães são menos attached? São mais egoístas e desapegadas só porque preferem fazer o desmame mais cedo? Como se eu, por ter dado de mamar até aos 7 meses, me devesse sentir mal. Como se tudo o resto não bastasse. E as vezes que acordo a meio da noite para a confortar? E o tempo que passo a cantar-lhe canções para adormecer? E as vezes que tive de a acalmar sabe deus como? E as horas passadas a brincar, a rebolar no chão, a fazer de cavalinho e elefante e leão e chão para ela pisar? E o cocó que já apanhei com as minhas-próprias-mãos, senhores? E o vomitado que já limpei? E as vezes que só me apetece sufocá-la de beijinhos e mordê-la e trincá-la? Nada disso conta?

Não, porque não desisti do meu emprego para ficar com ela em casa, porque não continuo a dar de mamar, porque não sou adepta do co-sleeping, claro que não. Porque não quero criar uma pessoa super dependente da mim, insegura, mimada e super protegida, que um dia teria, isso sim, de ir para a escola e aprender a socializar com meninos da sua idade que já estariam mais do que habituados ao mundo selvagem  lá de fora e que fariam dela gato-sapato como fizeram de mim. Isto sem falar na necessidade natural que os pais, às tantas, têm de voltar a ter tempo para eles, para o casal, para cada um individualmente e de encontrar um equilíbrio saudável entre si e o(s) outro(s). Mas nada disto é importante, claro que não. O importante é arranjar um banquinho seguro para a criança conseguir chegar à mama de pé.

Aposto que quem escreveu este artigo nem sequer tem filhos.

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.