Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bolas de Berlim... sem creme

Um blogue que não é de culinária (apesar de ter algumas receitas)

Bolas de Berlim... sem creme

Um blogue que não é de culinária (apesar de ter algumas receitas)

Um longo texto autobiográfico ao estilo yes, you can!

Pensei muito antes de escrever este texto. Pensei se o deveria escrever. Pensei se me sentiria bem comigo depois de o escrever. Pensei se me sentiria aliviada depois de o escrever.  E a resposta a todas as perguntas foi sim, sim, sim. Na verdade, a par de uma necessidade imensa de partilhar a minha alegria, acho que procuro uma espécie de closure. 2012 foi o ano em que decidi enfrentar o elefante na sala e resolver os meus... chamemos-lhes conflitos interiores. Estou no bom caminho. Mas há um passo que falta. Vamos a isso, então.

Muitos dos que me lêem e conhecem não saberão, outros já terão detectado algo, um arrastar no andar, um coxear que só se nota às vezes, provavelmente aleijou-se, provavelmente as pessoas são polidas demais para perguntarem. Eu agradecia que não perguntassem. Na verdade, é um assunto que me incomodava tanto que quando um estranho abordava a questão, eu mentia. Passei 32 anos da minha vida a esconder, a fugir e a mentir, mas em 2012 resolvi deixar de o fazer, ou em certa medida, vá, e cá estou eu para contar a minha história a quem quiser ouvi-la.

Nasci com um problema no pé, um problema que parece que afinal é bastante comum acontecer à nascença: estima-se que um em cada 1000 bebés nasça com pé boto (basicamente, o pé nasce torto, completamente virado para fora ou para dentro). Eu não fazia ideia destas estatísticas. Nem fazia ideia de que pode ter uma influência genética importante e, logo, uma carga hereditária. Quando fiquei grávida nunca coloquei a hipótese de que a minha filha pudesse nascer com o mesmo problema do que eu, porque sempre pensei que não fosse genético e se devesse apenas a uma má posição intra-uterina. Foi sempre isso que os meus pais me disseram e que um médico, actualmente, corroborou. Mas esse médico também disse: pode ser hereditário e pode não ser, pode ser genético e pode não ser, não se sabe bem. Mas também me assegurou que hoje em dia a medicina está tão avançada que os métodos medievais usados nos anos 80 passaram à história e agora uma única e simples cirurgia resolve a situação, sem deixar sequelas na vida adulta. Já não são precisas as oito cirurgias a que fui submetida dos 11 meses aos 16 anos, nem os longos Verões de recuperação, nem temporadas inteiras na sala de fisioterapia nem uma longa adolescência de dores de pé e de alma (os miúdos são tão cruéis quanto frágeis e sobre isto não há muito mais a dizer).
Se tive uma infância de merda? Durante muito tempo achei que sim. Mas a minha infância está tão recheada de todos os cheiros e sabores e memórias e lugares e pessoas marcantes como a infância de qualquer um de vós.

Mas tive sempre muitas dores. Dores que com a idade se vão agravando, dores que são uma constante sempre que viajo (o que implica longas caminhadas e muito tempo em pé) e sempre que o tempo muda (sim, dores de velho...). E sempre achei que, não sendo diferente dos outros na maior parte das coisas,  havia coisas que eu nunca poderia fazer, como correr, patinar, fazer yoga, fazer esqui. Mas especialmente correr. Sempre que tentava, nesse dia ficava sem me poder mexer. Curiosamente, nunca me lembrei de tomar analgésicos. Sempre recebi a dor como parte de mim, como natural, constante e inevitável. A par da dor, os complexos com namorados, as difíceis idas à praia e tudo o resto com que não me vou alongar muito porque também isto já vai fazendo parte do passado.

Até que um dia conheci aquele que é hoje o pai da minha filha. Foi ele que, aos 28 anos me levou a esquiar pela primeira vez e me mostrou que era possível (até a segunda vez as hormonas do pós-parto terem estragado tudo). Foi ele que, aos 29 anos, me ofereceu uns patins e me mostrou que era possível (até que um embate de cabeça em que senti, literalmente, o crânio a chocalhar, arrumou com os patins de vez). Também foi por volta dessa altura que me inscrevi no yoga e encontrei uma professora, doce e competente, que me acompanhou e fez um programa personalizado para substituir os exercícios em que sentia mais dificuldade, como tudo o que pedisse equilíbrio na perna direita. Voltando ao marido, foi ele que, aos 30 anos, para manter uma sequência cronológica, me mostrou que era possível fazer longas caminhadas, caminhadas de duas horas, de 4, 6 e 8 km, sem tanta dor quanto isso. Foi ele que, finalmente, aos 32 anos me mostrou que era possível correr 30 minutos sem parar e sem tanta dor quanto isso. Mais importante do que isso, foi ele que me mostrou que eu podia acreditar em mim e deixar de ter tanta peninha de mim mesma. Esta é uma das razões por que eu gosto tanto dele, o admiro tanto e quero tê-lo ao meu lado sempre!

De cada vez que completo 30 minutos de corrida sem parar, é mais um degrau na minha auto-confiança. Por incrível que pareça, correr, na qualidade de actividade que eu julgava impossível dada a minha condição física, foi umas das coisas que, no ano que passou, me começou a dar a auto-estima e a auto-confiança perdidas na adolescência. É como se sentisse que, conseguindo isto, consigo tudo. Se consigo correr 4 km, também consigo correr 8 ou 10. Se treinar, hei-de conseguir. Está tudo na minha cabeça, não nos meus pés (a esta altura está ele a pensar "Mas isso é o que eu te ando a dizer há cinco anos!"). Por isso, se eu consigo, qualquer um de vós com os dois pés no sítio e sem cicatrizes nem ossos remexidos também consegue. Não querer é uma coisa, não conseguir é outra completamente diferente. Ai de quem agora me venha com desculpas esfarrapadas!!

Há pouco tempo, voltei ao ortopedista, por causa de uma dor na anca já quase resolvida, que me desmistificou uma série de dúvidas e me mandou fazer "qualquer coisa, corra, nade, ande de bicicleta, mas mexa-se!" 
Fiquei animada. Comecei a procurar mais informação na net e de, repente, encontrei uma série de pessoas em pior estado do que eu, ou a quem as cirurgias não endireitaram o pé, mas que correm que se fartam e participam em corridas a sério. Encontrei, inclusivamente, um iron man com o pé em bem pior estado do que o meu mas com uma determinação admirável. Aos 32 anos espero que não seja tarde demais para voltar a tentar reabilitar os músculos entorpecidos, para correr a minha primeira corrida a sério, para exercitar o pé como gente grande. Eu sei que há alguém que quer que eu diga que vou voltar a patinar e a esquiar, mas não há mesmo espaço para isso agora. Tudo a seu tempo. Quem sabe daqui a um ano não vou querer voltar a experimentar?

E quase a chegar ao auge da catarse: se isto não é o texto mais positivo que escrevi, esperem só até completar a minha primeira corrida de gente grande!

P.S.- Ah, e este blogue comemora hoje um ano. Não foi de propósito, mas este texto também funciona como uma espécie de festejo do blogue.

Mais informações sobre o pé boto aqui e, em inglês, aqui.

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.